Free Web Site Counter
Free Counter

quarta-feira, outubro 01, 2008

Má Qualidade da água nos rios e ribeiros Portugueses ...




Má Qualidade da água nos rios e ribeiros Portugueses ...
também com muita culpa dos "nuestros hermanos" Espanhois a quem tanto gabamos o desenvolvimento, mas que em termos de consciencia ambiental e principalmente no tratamento de águas resíduais, não sei se não serão pior do que nós... tanto o rio Tejo, como o rio Guadiana entram muito poluidos em Portugal, e só com a sua auto-depuração e com a influencia dos afluentes portugueses acabam por melhorar...

Água do rio Zêzere em Constância é a mais pura da região

Qualidade da água dos rios Portugueses - O Mirante


A qualidade da água do rio Zêzere em Constância é “excelente”. No Tejo, a água em Constância é “boa” e em Alhandra (Vila Franca de Xira) é “razoável”. Essas são algumas das conclusões retiradas das 20 amostras recolhidas pelos ambientalistas da Quercus em 14 dos principais rios e ribeiras portugueses.

As amostras foram recolhidas na semana passada em vários pontos de 14 rios e ribeiras de norte a sul do país, tendo em vista confirmar os maus resultados de qualidade que já fazem tradição em Portugal e assinalar o Dia Nacional da Água que se celebra a 1 de Outubro.

O rio Tejo, a jusante da barragem de Niza, foi o pior resultado registado, com a classificação de água "muito má". Mas a montante da barragem a qualidade da água também era "má", assim como a do rio Ave (Vila do Conde), no Sado (Santa Margarida do Sado), na Ribeira Quarteira (Paderne) e no rio Mira (Odemira). "Os resultados são muito maus e confirmam o que tem sido divulgado pelas autoridades nos últimos anos", afirma o presidente da Quercus, Hélder Spínola.

A essas seis amostras de má ou muito má qualidade, juntam-se outras oito com qualidade "razoável": rios Tâmega, Douro, Mondego, Alcabrichel, Tejo junto a Alhandra, Sado próximo de Alcácer do Sal e Ribeira Vidigão (Vila Verde de Ficalho). Qualidade boa só foi obtida no rio Corgo (Vila Real), Vouga (S.Pedro do Sul), Tejo em Constância e Guadiana (Serpa).

Das 20 amostras, só duas conseguiram obter uma qualidade de água excelente, nos rios Tâmega (Amarante) e no Zêzere (Constância). A Quercus recolheu apenas uma amostra em cada um destes rios. "Reconheço que não é um estudo completo, que para o ser deveria ter mais amostras. Mas isso implica uma logística que a associação não possui", adiantou Heldér Spínola.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Greenpeace começa a descer o Rio Guadiana em Portugal

in Observatorio do algarve


25-10-2006 7:01:00
Numa viagem pelo Rio Guadiana, que começou dia 20 e acaba dia 28 deste mês, uma comitiva da organização ambiental Greenpeace, quer fazer um levantamento dos problemas que enfrenta este rio peninsular.

Depois de ter percorrido a parte espanhola do rio, a comitiva ecologista chega agora a Portugal, e marcou para amanhã, dia 25, uma conferência de imprensa em Mértola.

Na passagem pelo “Guadiana espanhol” a Greenpeace apontou duras críticas quanto à gestão deste, que vai desde a contaminação ao uso indevido de água para “alimentar” empresas.

Os ecologistas asseveram: “O troço do Guadiana que passa pela Estremadura espanhola apresenta os níveis mais graves de contaminação de todo o curso do rio”.

“As descargas de resíduos urbanos e a contaminação dos aquíferos fazem com que a água que percorre estes troços não possa ser utilizada para abastecimento, banhos, rega ou, inclusive, para usos industriais”, adiantam.



---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Greenpeace desce o Guadiana para denunciar "péssimo estado" do rio
18-Out-2006


A Greenpeace vai denunciar o "péssimo estado" do Guadiana, ameaçado por uma barragem "injustificável" (o Alqueva) e transvases no lado espanhol, efectuando uma descida do rio e visita às povoações ribeirinhas, entre 20 e 28 de Outubro.

Os ambientalistas pretendem chamar a atenção para a má qualidade das águas, "que em breve se tornarão inutilizáveis, tanto para abastecimento, como para rega ou usos industriais", e denunciar as agressões que este rio peninsular enfrenta.

A Greenpeace critica, entre outros aspectos, a construção da barragem do Alqueva, cuja principal razão era fornecer água a 110 mil hectares, que, no entanto, "não estão a ser explorados e provavelmente nunca chegarão a estar".

"Para além desta infra-estrutura, o Alqueva tem ainda pendente a contrução de mais nove barragens, um túnel e um transvase da bacia do Sado para fazer chegar água a regadios inexistentes", denunciam os activistas desta organização não-governamental.

Outro dos problemas apontado é o Governo português "não ter fixado ainda o preço da água para os agricultores", "mas já ter aprovado a construção de hotéis, campos de golfe e milhares de residências, que somam no total mais de 19.500 camas".

A Junta da Extremadura também está a preparar um Plano de Ordenamento do Território para a parte espanhola, com cerca de 16.000 camas.

A Greenpeace está também preocupada com o transvase Tejo- Guadiana, justificada pelo governo espanhol e pela Junta de Castilla- La Mancha com a necessidade de fornecer água a algumas povoações, mas que os ambientalistas acreditam que vai servir "para alimentar a especulação e fornecer água a novos complexos urbanísticos e campos de golfe".

O Guadiana está ainda ameaçado por espécies invasoras (41 por cento das espécies de peixes existentes no troço do rio que pertence à Estremadura são introducidas) e pela construção de uma ponte num sítio que alberga espécies protegidas, como o lince e a águia-imperial.

"A ponte é uma alternativa injustificável de ligação rodoviária transfronteiriça entre El Granado (Huelva) e Pomarão (Alentejo)", diz a Greenpeace, que acusa as autoridades de Huelva de querer construir uma estrada de acesso para a futura ponte internacional cujo fim último é o de promover uma mega urbanização num espaço protegido.

A Greenpeace lembra que o ponto de partida para esta descida do rio não é muito esperançoso:

"O Guadiana, de facto, já não existe. Há mais de duas décadas que o rio não nasce nos Olhos do Guadiana. Hoje em dia é o rio Bullaque que fornece ao Guadiana a primeira entrada de águas natural, pelo que deveria ser esse o seu nome. Esta entrada situa-se 120 km abaixo dos Olhos do Guadiana".

Rádio Portalegre / Lusa

in: Radio de Portalegre



Em baixo fotos dos Olhos do Guadiana (Ojos del Guadiana), algumas das fotos mostram como eram e como estão hoje em dia... SEM ÁGUA... UMA TRISTEZA... E AINDA DIZEMOS QUE ESPANHA É MAIS DESENVOLVIDA DO QUE NÓS... Desenvolvimento com este impacto não apoio!!!







in: Greenpeace Espanha


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Biosfera 127 Para onde correm os rios?
2007-10-28 13:54:00


Para onde correm os rios portugueses? Qual será o seu destino? A ver pela actualidade, o futuro não se apresenta risonho. Altamente poluídos com águas residuais, os rios nacionais estão a perder as condições de habitat para inúmeros peixes e como fonte de abastecimento público. O Biosfera mostra-lhe também como o caudal está cada vez menor e põe a nu transvases altamente lesivos ao meio ambiente.

Biosfera 127 Para onde correm os rios

Etiquetas: , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home